Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Fundação Cidade de Lisboa

Início do Plano Geral de Drenagem de Lisboa, um projeto do Professor António Carmona Rodrigues

O Plano Geral de Drenagem de Lisboa está em marcha! Tal como referido pela Câmara Municipal de Lisboa na rede social Facebook: "A obra já foi consignada, num projeto prevê a construção de 2 tuneis subterrâneos, um entre Monsanto e Santa Apolónia e o outro entre Chelas e o Beato. Vão permitir, por um lado, proteger e preparar a cidade para os impactos das alterações climáticas, reduzindo e risco de inundação, e por outro, poupar água com a sua reutilização para regas e lavagem de ruas."

Refere ainda a Câmara Municipal de Lisboa na rede social Linkedin: "Vai arrancar a fase de maior impacto daquela que é uma das maiores obras de sempre de Lisboa: O Plano Geral de Drenagem.

Um projeto idealizado pelo Prof. António Carmona Rodrigues em 2004, que, na condição de presidente da Câmara de Lisboa, subscreveu a primeira proposta levada à reunião do Executivo que lançava as bases para a obra.

Quase 20 anos depois, o projeto está a ser coordenado por José Silva Ferreira que lidera uma equipa de 12 pessoas, entre engenheiros, arquitetos e tantos outros especialistas municipais que vão desde técnicos da Mobilidade, Espaços Verdes, Comunicação, Obras, Finanças, Atendimento e Participação, Proteção Civil, Bombeiros, e tantos outros.

Equipas que acompanham a par e passo o evoluir da obra e fazem a articulação com os serviços municipais, de modo a minimizar os impactos para a cidade e para os munícipes.

No seu pico, a obra vai ter 800 trabalhadores em simultâneo e vai ter 40 fiscais de obra, por exemplo.

O projeto do Plano Geral de Drenagem prevê a construção de 2 tuneis subterrâneos, um entre Monsanto e Santa Apolónia e o outro entre Chelas e o Beato. Vão permitir, por um lado, proteger e preparar a cidade para os efeitos das alterações climáticas, reduzindo e risco de inundação, e por outro, poupar água com a sua reutilização para regas e lavagem de ruas.
Prevê-se que a obra esteja terminada em 2025."

Veja aqui: